Voltar

30/07/2013 - IDH-M dos municípios paranaenses avança quase 50% em 20 anos

Paraná passa o Rio Grande do Sul e se torna o 5º estado com o melhor nível de desenvolvimento humano municipal, segundo a ONU

O Paraná foi um dos motores da melhoria de vida na média das cidades brasileiras durante as duas últimas décadas. Entre 1991 e 2010, o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) do Brasil cresceu 47,5%, enquanto o paranaense subiu 47,7%. O avanço fez o estado chegar à quinta colocação entre as 27 unidades da federação, ultrapassando o Rio Grande do Sul. O Paraná não tem mais nenhuma cidade com IDH-M muito baixo, que é faixa que vai de 0 a 0,499.

Os dados foram divulgados ontem pela Organização das Nações Unidas (ONU), em Brasília, e seguem como referência os três últimos censos realizados no país – 1991, 2000 e 2010. Nesse período, o IDH-M do Brasil passou, respectivamente, de muito baixo (0,493) para médio (0,612) e alto (0,727).

Os números comprovam que as melhorias não aconteceram apenas recentemente, a partir da implantação de programas de distribuição de renda como o Bolsa Família. O índice seguiu uma tendência de alta similar nas duas décadas passadas, primeiro de 0,119 (24,1%) e depois de 0,115 (18,8%).

“O protagonista dessa mudança é o brasileiro. O Bolsa Família exerce um papel coadjuvante, embora merecesse o Oscar de ator coadjuvante”, avalia o presidente do Ipea e ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Marcelo Néri.

Educação

Entre os três componentes do índice (longevidade, educação e renda), a educação foi o que mais avançou proporcionalmente, mas continua sendo o mais fraco – aumentou de 0,279 para 0,456 a 0,637.

Enquanto isso, a renda subiu de 0,647 para 0,692 e 0,739 e a longevidade de 0,662 para 0,816. “O Brasil tem demonstrado que é possível, em muito pouco tempo, mudar a condição de um país”, disse Jorge Chediek, o representante residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Humano (Pnud) no Brasil.

Divisão

Um grupo de 4.122 municípios (74% do total) encontra-se atualmente nas faixas de IDH-M médio ou alto. Só 44 cidades (0,8%), no entanto, fazem parte da faixa de desenvolvimento considerado muito alto (entre 0,800 e 1).

No Paraná, o maior avanço do índice (22,2%) ocorreu entre 1991 e 2000, quando houve um acréscimo de 0,143 – de 0,507 para 0,650. De 2000 a 2010, o crescimento perdeu força (14,06%) e ficou em 0,099 – de 0,650 para 0,749. Foi na última década, porém, que o estado superou o Rio Grande do Sul, cujo indicador passou de 0,664 (em 2000) para 0,746 (em 2010).

Assim como aconteceu com o Brasil, a educação foi o indicador com maior avanço no Paraná. Entre as três medições, subiu de 0,298 para 0,522 e 0,668. Já a renda cresceu de 0,644 para 0,704 e 0,754 e a longevidade, de 0,679 para 0,747 e 0,830.

Só 0,8% das cidades têm desenvolvimento muito alto no país Fernanda Trisotto

Apenas 44 cidades brasileiras tem um nível muito alto de desenvolvimento humano. De acordo com o Atlas de Desenvolvimento Humano do Brasil, para estar nessa categoria é preciso que as cidades tenham índices superiores a 0,800. A maior parte dos municípios nessa faixa de IDH-M se concentram nos estados de São Paulo (24) e Santa Catarina (11).

No Paraná, apenas Curitiba (0,823) e Maringá (0,808) atingiram o índice. Ainda estão na lista Rio Grande do Sul (1), Rio de Janeiro (1), Distrito Federal (1), Espírito Santo (2) e Minas Gerais (2).

Embora essas cidades representem menos de 1% do total de municípios do Brasil, alcançar esse patamar revela uma evolução no desenvolvimento brasileiro. Em 1991, nenhuma cidade alcançava sequer um índice de alto desenvolvimento: apenas 43 municípios estavam no nível médio, com notas entre 0,600 e 0,699. Por outro lado, a maioria dos municípios era considerada de muito baixo desenvolvimento humano: eram 4.777 municípios com índices até 0,499, o que representa quase 86% do total.

Em uma década, o panorama começou a mudar. São Caetano do Sul, em São Paulo, despontou como a cidade com maior IDH-M do país, posição que mantém até agora, 20 anos depois da primeira medição. Ao longo dessas duas décadas, o que se observou foi a diminuição das cidades com índices de muito baixo desenvolvimento, que passaram de 4.777 para 32, e uma concentração de municípios nas zonas de médio desenvolvimento, de 43 para 2.233, no intervalo entre 1991 e 2010.

No entanto, a divisão regional mostra que o desenvolvimento não ocorre no país de forma uniforme. Enquanto as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste não têm nenhuma cidade com índice de desenvolvimento muito baixo (abaixo de 0,499), no Norte e Nordeste não há sequer um município com IDH-M muito elevado (acima de 0,800).

IDH-M dos municípios paranaenses avança quase 50% em 20 anos

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/

Voltar

(41) 3322-4811
(41) 8830-3311

sercopar@sercopar.com.br