Voltar

Mal necessário ou erro estratégico?

Maior parte dos analistas referenda decisão para frear inflação enquanto entidades da indústria e comércio chamam alta de “tiro no pé”.

Entre a cruz e a espada, ou a inflação e o baixo crescimento. Foi nesse cenário que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, ontem à noite, elevar em 0,25 ponto porcentual a taxa básica de juros. A elevação foi definida por seis votos a dois e motivada, segundo analistas, pela resistência da alta dos preços, que acumulou 6,59% nos últimos 12 meses findos em março, segundo o indicador oficial, o IPCA.

Outros sinais, como a que¬da nas vendas do varejo, ainda em fevereiro, também colaboraram para uma mudança de postura da autoridade monetária.

Contra
Para o setor produtivo e sindicatos, alta cria o pior cenário

A manifestação de quatro centrais – Força Sindical, UGT, CTB e Nova Central – em frente ao escritório do BC em São Paulo, não surtiram efeito. Elas pediam a manutenção da Selic como fator fundamental para reativar a economia e manter a geração de empregos.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Confe¬de¬ração Nacional de Dirigentes Lo¬jistas (CNDL) também se disseram contrários à decisão. Para as entidades, o governo está criando “o pior cenário” para a economia brasileira por não querer fazer o dever de casa: cortar os gastos públicos.

As entidades acreditam que a alta da Selic poderia esperar maficar para depois, diante de alguns sinais de arrefecimento de preços em indicadores do início de abril. A CNI lembra que a alta na taxa não reduz apenas o consumo, mas os investimentos, fundamentais ao setor industrial.

Ainda em que pequena medida, a decisão pôs fim a um ciclo histórico de baixas. De agosto de 2011 a outubro de 2012, a Selic caiu 5,25 pontos porcentuais e era mantida desde então.

Para o economista e professor da USP de Ribeirão Pre¬to, Luciano Nakabashi, a alta da Selic era mesmo o jeito mais eficiente de frear a inflação, visto que o governo não “faz a sua parte” cortando gastos. “Ao elevar os juros, aumenta a atratividade para os bancos comerciais comprarem títulos do governo ao invés de emprestar para o público (pessoas físicas e jurídicas), reduzindo a oferta de crédito e elevando os juros de outras linhas de financiamento”. Para ele, a pequena alta não traz impacto em si, mas inicia um processo de elevação que sim, com o tempo, terá efeito relevante.

Até mesmo um “militante dos juros baixos” como o vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac), Miguel Ribeiro de Oliveira, concorda com a elevação da Selic, principalmente como forma de resgatar a credibilidade do Banco Central em relação ao comando da política monetária do país e também de dar o recado certo ao mercado de que, sim, o país vê o combate à inflação como algo prioritário. “No geral, nós temos juros ainda altos, com um cenário futuro de inadimplência em queda e de crescimento maior do país neste ano ante 2012. Mas, diante do IPCA acumulado em março, uma subida, desde que pequena, era um mal necessário”, opina. Segundo as simulações da Anefac, o impacto da elevação deve ser pequeno nas operações ao consumidor (veja no gráfico).

Perspectivas

O economista e professor associado da Fucape Business School, Cristiano M. Costa, acredita que um novo ciclo de alta, ainda que ameno, agora permitirá juros ainda baixos para 2014. “Se este objetivo de trazer a inflação para o centro da meta for atingido até o fim do ano, o governo pode pensar em reverter o ciclo de alta já no início de 2014, sem comprometer em demasia o crescimento da economia.” No geral, o mercado vê 2013 e 2014 encerrando com taxa a 8,5%.

Poupança segue ganhando dos fundos

Mesmo com a Selic a 7,5%, os rendimentos das cadernetas de poupança continuarão mais interessantes que a maioria dos fundos de renda fixa. Os depósitos antigos – anteriores a maio de 2012, quando as novas regras da poupança entraram em vigor – renderão 6,17% ao ano + TR, e os novos, 5,25% + TR. Na maioria das simulações da Anefac, a poupança sai na frente por ter seu ganho garantido e não sofrer qualquer tributação enquanto os fundos têm o desconto do imposto de renda (quando menor o prazo de resgate, maior o valor do imposto), além da cobrança da taxa de administração cobrada pelos bancos.

A situação só se inverte para fundos com prazo de resgate mais longos (principalmente aqueles acima de 2 anos) e taxas de administração mais baixas (entre 0,5% e 1,5%).

As novas regras da poupança (70% da Selic + TR) serão válidas sempre que a taxa básica de juros for igual ou inferior a 8,5% ao ano.

Infográfico

Fonte: www.gazetadopovo.com.br

Voltar

(41) 3322-4811
(41) 8830-3311

sercopar@sercopar.com.br